2.22.2013

tédio... voilà!


foi a primeira vez que experimentei algo do género, mas até correu bem. Utilizei uma caneta de acetato e verniz preto e um pincel fino. Algumas partes não ficaram tão bem porque infelizmente o pincel já estava nas últimas e quase todo depenado e com os pelos tortos. Mas aqui fica o primeiro experimento de umas sabrinas feias transformadas nuns sapatos tribal style :)

do it yourself

é mais barato, mais giro e com certeza tem muito mais personalidade

2.21.2013

E de súbito desaba o silêncio.
É um silêncio sem ti,
sem álamos,
sem luas.
Só nas minhas mãos
ouço a música das tuas.

Eugénio de Andrade

2.18.2013

já agora,

e que estamos aqui no mood dos retornos, fica também algo para recordar.




esta foto lembra-me o zé. e muitas outras coisas mais. mas principalmente o zé.

voltar a sério

já chega desta ausência, cheguei onde queria chegar, este blog acompanhou-me e a ele obrigada, com mais de metade das postagens apagadas por raiva e vergonha de escrever coisas tão tolas o meu blog está feito de pedaços que não são meus. não quero mais ser impessoal, ausente, estranha. quero estar presente no meu blog que quanto muito sou só eu que leio. quero escrever de novo e não me preocupar muito com o que vão achar disso. tenho aqui o meu pequeno diário secreto. que prefiro mil vezes mais que ao facebook, perder tempo aqui é ganhá-lo. estou de volta, desta vez a sério.

para quem ainda não sabe, eu sou roxa e cresce açúcar nos meus lábios

Jardim Botânico 2012






2.17.2013


Porque
não vens agora, que te quero
E adias esta urgência?
Prometes-me o futuro e eu desespero
O futuro é o disfarce da impotência.

Hoje, aqui, já, neste momento,
Ou nunca mais.
A sombra do alento é o desalento
O desejo o limite dos mortais.

Miguel Torga


Hoje, perguntando onde estás, e o
que fazes, ouço as palavras tristes
da solidão que me responde, sem
nada me dizer, ao dizer-me tudo.

O que fazes e onde estás, pergunto
ao silêncio que me deixaste; e ouço
em mim a resposta, num eco que
vem de ti, perguntando por mim.

E neste espelho que entre mim e ti
a ausência constrói, outro espelho
reflecte o vazio da sua imagem, até

esse infinito em que a minha pergunta
te responde, para que me devolvas
o eco em que as nossas vozes se juntam.

Nuno Júdice

O Segredo Dos Plátanos


Quando se ama morre-se sempre de amores sempre um bocadinho e morre-se de amores por quase nada. É este o segredo que os plátanos decepados junto ao rio me confessaram. Há quem tenha a esperança intacta e quem a tenha perdido toda pelo caminho.


Pedro Paixão in Quase gosto da vida que tenho

Tenho tanto sentimento



Tenho tanto sentimento
Que é frequente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é a verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Entras


Entras
em mim descalça, vulnerável
como um alvo próximo, ferida
nos joelhos e nas coxas. Pelo tacto
nos conhecemos, é essa luz
oblíqua que nos cega. E te pertenço
e me pertences como
a lâmina
à bainha, a chama
ao pavio.

Albano Martins

Preciso que me olhes nos olhos


Preciso que me olhes nos olhos
Que me dispas em teus lábios
E me conheças, além das palavras

Preciso que me olhes nos olhos
Que me arranques suspiros e tremores
E teu gosto fique em mim, depois do amor.

Fernanda Guimarães

Se me esfolassem agora


Se me esfolassem agora
encontrariam o teu nome
colado num dos meus ossos.

De mim continuariam a nada entender.
Quanto a mim, sei que sou teu.

Manuel Cintra 

Se tu viesses ver-me


Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

A Praça


A praça da Figueira de manhã,
Quando o dia é de sol (como acontece
Sempre em Lisboa), nunca em mim esquece,
Embora seja uma memória vã.

Há tanta coisa mais interessante
Que aquele lugar lógico e plebeu,
Mas amo aquilo, mesmo aqui ... Sei eu
Por que o amo? Não importa. Adiante ...

Isto de sensações só vale a pena
Se a gente se não põe a olhar para elas.
Nenhuma delas em mim serena...

De resto, nada em mim é certo e está
De acordo comigo próprio. As horas belas
São as dos outros ou as que não há.

Álvaro de Campos, in "Poemas" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

A Angústia Insuportável de Gente


Ah, onde estou onde passo, ou onde não estou nem passo, 
A banalidade devorante das caras de toda a gente! 
Ah, a angústia insuportável de gente! 
O cansaço inconvertível de ver e ouvir! 

(Murmúrio outrora de regatos próprios, de arvoredo meu.) 

Queria vomitar o que vi, só da náusea de o ter visto, 
Estômago da alma alvorotado de eu ser... 

Álvaro de Campos, in "Poemas" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

dia dos namorados


A PERSONIFICAÇÃO DO UTÓPICO

Peter Callesen

13_white-hand-1.jpg

15_bound-to-be-free-1.jpg

15_broken-vase-ii.jpg

15_mirage-iii.jpg

14_winterreise1.jpg

“É no encontro - ou confronto - dessas duas condições, em uma espécie de personificação do utópico, que estas obras se tornam vivas, muitas vezes de forma tragicômica”
O Artista

http://www.petercallesen.com/